Rollemberg vistoria trabalhos na Ponte do Bragueto

Em visita na manhã desta sexta (16), governador de Brasília reforçou que a estrutura está preservada. Local recebe barreiras para evitar que veículos altos danifiquem a laje

 

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, vistoriou na manhã desta sexta-feira (16) as intervenções na Ponte do BraguetoDesde quinta-feira (15), estão sendo instaladas barreiras para evitar que veículos altos colidam com a laje da estrutura e causem buracos. Além disso, duas pontes alternativas estão em construção nas laterais.

“O DER [Departamento de Estradas de Rodagem] identificou que a laje é danificada por colisão de veículos acima de 4 metros de altura que batem de forma constante. Daí a necessidade de colocar os pórticos”, frisou Rollemberg.

“O laudo do DER sobre a estrutura da ponte mostra que ela está preservada. De qualquer forma, estamos melhorando os drenos, reforçando as lajes”, acrescentou.

O governador estava acompanhado do diretor-presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), Júlio Menegotto, do diretor-geral do DER-DF, Márcio Buzar, e do secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Antonio Coimbra.

De acordo com Buzar, a ponte conta com 11 vigas contínuas, que estão preservadas. “Desobstruímos todos os drenos, refizemos as lajes, vamos colocar as barreiras e monitorar como está se comportando a estrutura inteira da ponte”, explicou.

Também vão ser colocados na Ponte do Bragueto redutores de velocidade, quebra-molas e sonorizadores para que os motoristas estejam atentos à necessidade de alterar o itinerário.

As duas pontes paralelas constam do projeto do Trevo de Triagem Norte, composto por 16 obras, entre pontes e viadutos. O objetivo é distribuir o fluxo de veículos com destino ao Plano Piloto, com acesso ao Eixão Norte e Sul, à W3, aos Eixinhos Leste e Oeste e à L2.

Manutenção emergencial na Ponte do Bragueto

No carnaval, a ponte passou por manutenção emergencial. Equipes da Novacap lavaram o concreto e cobriram fissuras na laje, provocadas por veículos que desrespeitaram a altura máxima permitida, de 4 metros de altura.

Também foram instalados sensores para monitoramento de vibrações e deslocamento da estrutura.

Eles contêm chips que mandam informações sobre as vibrações e o deslocamento da estrutura para um computador, de onde os dados serão retirados para análise constantemente.

 

Fonte: Agência Brasília

Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *