Governo de Brasília adota ferramentas de acessibilidade para sites e redes sociais

Ofícios enviados nesta quarta-feira (13) – Dia Nacional do Cego – pela Secretaria de Comunicação para todos os órgãos distritais repassam orientações para que os sites e as redes sociais do governo sejam acessíveis a pessoas com deficiência.

“Queremos chamar a atenção dos órgãos para a comunicação mais acessível” justifica a subsecretária de Comunicação Digital Nara Alves.

Os portais deverão ter a opção do “texto alternativo”, no qual é possível descrever a imagem e permite que softwares leitores de tela sejam utilizados por usuários com deficiência visual.

Atualmente, além da Agência Brasília, todas as administrações regionais e sete das 23 secretarias de Estado já têm sites 100% acessíveis, que permitem o acesso de cegos e surdos à informação pública. A expectativa é que todos os portais do governo se tornem plataformas adaptadas até o fim de 2018.

Nas redes sociais, a partir de janeiro de 2018, as publicações que contenham imagens devem ser acompanhadas da hashtag #PraCegoVer, com um texto que descreva a imagem, possibilitando que os programas usados por pessoas com deficiência possam narrar o que se vê nas fotos.

Os vídeos sobre entregas e prestação de contas serão legendados sempre que possível. As plataformas de publicação das redes sociais, em especial Facebook e YouTube, têm ferramentas gratuitas que permitem a inserção de legenda após a publicação do vídeo. A subsecretaria estuda modelos para implementar soluções acessíveis a outras redes sociais.

As três iniciativas — texto alternativo nas imagens, hashtag #PraCegoVer e legendas de vídeos — complementam a política de acessibilidade já implementada na comunicação digital do governo.

Ao longo de 2017, secretarias e administrações regionais do governo de Brasília inseriram em seus sites o atalho para o VLibras — solução aberta e gratuita para geração automática de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) em conteúdos digitais.

Todos os sites contam com a ferramenta no cabeçalho, ao lado do ícone que permite aumentar ou diminuir o tamanho da letra e alterar o contraste da tela.

De acordo com a Secretaria de Comunicação, com essas medidas o governo de Brasília pretende ampliar o acesso à informação, para que mais cidadãos participem do debate on-line acerca das políticas públicas no DF.

A política de acessibilidade adotada pelo Executivo local está embasada na Lei Federal nº 12.527, de 2011, conhecida como Lei de Acesso à Informação. Ela determina a adoção de ferramentas para garantir a acessibilidade de conteúdo a pessoas com deficiência.

A mudança para deixar os sites acessíveis começou em 2015. Em agosto de 2016, os portais das administrações receberam a plataforma que permite a inclusão do “texto alternativo”. Em fevereiro deste ano, a novidade começou a ser implementada nas secretarias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: